Bolsonaro e a 'sinuca de bico' que pode levá-lo à desmoralização!

11/06/2018 23:45

Presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agencia Brasil
Presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agencia Brasil

'Mito terá que tomar em breve difícil decisão

Há quatro saídas — muito delicadas para Bolsonaro. Apenas uma, nesse leque, é mais sensata e inteligente, conforme veremos mais ao final da matéria

BOLSONARO | O polêmico presidenciável Jair Messias Bolsonaro (PSL-RJ) está literalmente no que de forma popular se chama "sinuca de bico" — aquela situação do jogo onde praticamente não há quase nenhuma saída a não ser a iminente derrota. Algo parecido também com "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come". 

O "mito", contudo, tem uma chance de sair do impasse que ele — e muito provavelmente seus marqueteiros — criaram para si. Resta saber se terá competência para isso, para que sua rejeição — que já não é lá tão baixa — não cresça ainda mais, como veremos mais à frente com as quatro saídas que lhe são possíveis, sendo que apenas uma é mais sensata.

Leia também:

PRISÃO | Lava-jato e caso Lula podem levar Moro à cadeia!

Dia 13, estudantes argentinos saem às ruas pela legalização do aborto!

Tucano quer fim da estabilidade do funcionalismo!

Frei Betto assina manifesto pela campanha de Boulos!

Debates

Conforme amplamente noticiado na chamada "grande" mídia nacional, Bolsonaro dispensou todos os debates preliminares que empresas de comunicação do País estão a fazer com os presidenciáveis, como UOL, Folha e SBT. Alegou, para tanto, "motivos de agenda", embora tais corporações midiáticas tenham lhe oferecido um amplo leque de datas, locais e horários que poderia escolher para participar. Disse não, mesmo assim.

Verdadeira causa

Todo mundo sabe, no entanto, que Bolsonaro teme ir a debates abertos porque se sente extremamente frágil em relação a um conhecimento mais aprofundado dos problemas da Nação, algo necessário, convenhamos, a quem se propõe dirigir um País com dimensões continentais como é o Brasil. 

Sobre essa sua visível insegurança, a verdade é que ele teme ser massacrado pelos entrevistadores e demais candidatos. O ex-governador Geraldo Alckmin, por exemplo, embora não tenha o preparo intelectual que diz ter (foi massacrado por Lula em debates nas presidenciais de 2006), alfinetou o "mito", pelo Twitter: "Bolsonaro foge dos debates porque não tem o que dizer." Agora imagine Bolsonaro num debate com Boulos. Ou com Ciro. Ou com Lula. É covardia.

Como sair do impasse?

Bolsonaro, no entanto, não tem escolha. Tal como o jogador que entrou numa 'sinuca de bico' em um barzinho de periferia qualquer, o 'mito' terá que buscar uma saída para a questão. Se for aos debates futuros, corre o seríssimo risco de ser triturado e se desmoralizar. Se não for, abdica do direito de tentar conquistar mais seguidores e corre ainda o sério risco também de perder muitos dos fãs que já tem. Afinal, a pecha de um Jair Bolsonaro frouxo, medroso, não combina muito bem com a imagem de valentão que criou e que de fato atraiu uma boa legião de apoiadores em todo o Brasil. O que fazer, então? (Após o anúncio, as saídas).

Saídas

A realidade aponta quatro saídas para Bolsonaro — todas muito complicadas — como não poderia deixar de ser, diante de um impasse como esse. A primeira seria cair nos livros ou em outros meios e tentar aprender no tempo que falta para as eleições alguma coisa sobre o Brasil. Conseguiria? Só Deus sabe. 

Uma segunda seria meter a cara, ir aos debates e enfrentar a situação, naquela coisa de que "seja lá o que Deus quiser". 

Uma terceira seria fugir mesmo das discussões tete a tete e deixar crescer a tese de que não passa na prática de um despreparado, mofinas e covardão. 

E há ainda uma quarta, mais sensata e inteligente: desistir — pelo menos por enquanto — da presidência e tentar garantir de novo uma vaga de deputado federal.

Mais recentes sobre política

Você também poderá gostar de: