R$ 4 bi | STF não julga e farra do auxílio-moradia continua sem data de fim!

24/06/2018 20:19

Verba daria para bancar piso do magistério a 1.629.096 professores

JUSTIÇA | Desde que foi autorizado para todos os magistrados do País, o auxílio-moradia já custou mais de R$ 4 bilhões aos cofres públicos, segundo editorial de hoje (24) da Folha de S.Paulo. O padrinho da medida é o ministro Luiz Fux, do STF, que a concedeu através de liminares, isto é, decisões provisórias. Veja ao final da matéria o que daria para fazer com tanto dinheiro.

Leia também:

Tucano quer fim da estabilidade do funcionalismo!

Provisório sem data para acabar

Embora tenha caráter provisório, a benesse mensal — de R$ 4.377,77 — continua por tempo indeterminado, vez que as ações sobre o assunto não foram julgadas no plenário do Supremo. O caso se torna ainda mais imoral porque até juízes com residências próprias recebem tal regalia.

Moralistas famosos agraciados

Dentre os juízes que pregam moralidade com dinheiro público mas que recebem a mamata estão os juízes Sérgio Moro e Marcelo Bretas, ambos da lava-jato. O primeiro tem excelente casa própria em Curitiba. O segundo, além de também possuir uma ótima residência no Rio de Janeiro, é casado com uma juíza também agraciada com a regalia. É como se recebesse todo mês um prêmio duplo de loteria.

O caso Dallagnol

Outro que também se locupleta do auxílio-moradia mesmo tendo casa própria é o procurador Deltan Dallagnol, companheiro de Sérgio Moro e Marcelo Bretas na lava-jato. Segundo matéria também da Folha de fevereiro deste ano: "A assessoria [do Dallagnol] afirma que o pagamento do benefício está 'amparado em uma liminar e em regulamentações internas que não trazem entre as vedações o fato de a pessoa possuir imóvel'". Pura cretinice.

O que daria para fazer com o dinheiro

Caso os mais de R$ 4 bilhões gastos com o auxílio moradia irregular de juízes fossem usados para atender a população, veja abaixo o que seria possível fazer.

Leia mais:

Leia também:

Economia | Abaixo, modelo para requerimento de microfilmagem do PASEP para fins de solicitação na justiça de correção de valor sacado nesse Programa dos servidores públicos da União, estados e municípios. Após solicitação junto a qualquer agência do Banco do Brasil, o documento é entregue num prazo máximo de 30 dias. Salve como imagem em...