PISO | Nova greve pode inviabilizar o ano letivo!

10/06/2018 00:05

Mesmo prejudicados, alunos apoiam o movimento / Foto: Sinte-Pi
Mesmo prejudicados, alunos apoiam o movimento / Foto: Sinte-Pi

Governo fura e mestres retomam a luta

EDUCAÇÃO | O ano letivo da Rede Estadual de Educação do Piauí corre o sério risco de se inviabilizar. Razão: professores  e corpo técnico entraram em greve por tempo indeterminado novamente no dia 7 deste mês. 

Leia também:

STF | Ministra veta reajuste e revolta professores de todo o País!

FUNDEB | Docentes temem que extinção piore os salários!

BB | É possível pagar melhor os professores, mostram dados do Banco do Brasil!

FUNDO | Governo anuncia US$ 3 bilhões à educação para mulheres e meninas!

Movimento foi decido em uma grande Assembleia Geral no Clube do Sinte-Pi, e ocorreu porque o governador Wellington Dias (PT) descumpriu acordo feito em 12 de março com a intermediação da justiça que garantia reajuste de 6,81% para os docentes e 3,15% para o pessoal administrativo. 

"O governador assinou o termo e quebrou a própria palavra". Para acabar a greve que iniciamos no início do ano letivo, prometeu o piso e não cumpriu, por isso agora vamos grevar novamente", disse em tom de desabafo a professora Sônia Aragão, de Teresina.

Impasse

Está criado assim um sério impasse. O governo tem anunciado pela mídia que não paga por conta da lei eleitoral. O advogado do Sinte-Pi — Dr. Geovani Brito — declarou também na imprensa e na assembleia da categoria que o acordo foi selado na justiça antes do prazo proibitivo das eleições. O governo não cede. Os dirigentes do sindicato — como a presidente Paulina Almeida — dizem que categoria só volta agora com o dinheiro no bolso. Como a questão será resolvida? (Continua, após o anúncio).

Veto

O governo vetou o projeto e os deputados estaduais quebraram a medida do governador. Mas os professores e demais do magistério não tem qualquer sinal concreto que receberão os reajustes previstos para maio numa folha suplementar, como reivindicam. Enquanto isso, alunos ficam mais uma vez este ano sem aula e com ameaça real até de perder o ano letivo.

Leia também: