CAIXA | Teto para imóveis a servidores públicos aumentou!

11/06/2018 01:24

Imagem: arquivo webnode
Imagem: arquivo webnode

Subiu de 70% para 80% o limite de financiamento

ECONOMIA | Os servidores públicos poderão financiar um valor maior ao comprarem imóveis usados por meio da Caixa Econômica Federal. O banco elevou, de 70% para 80%, o limite de financiamento, igualando o teto com o usado na compra de unidades novas.

Leia também:

DEMISSÃO | Tucano quer fim da estabilidade do funcionalismo!

409/16 | PLS que reduz pisos de servidores tramita no Senado! 

CUSTO DE VIDA | Salário mínimo no Brasil fere a Constituição Federal!

DICAS | O que fazer para aliviar e prevenir a dor nas costas!

Clique e acesse posts interessantes sobre economia, política, educação, cultura, lazer...

Os demais clientes continuarão a financiar até 70% do valor de imóveis usados e 80% no caso de imóveis novos. Em nota, o banco informou que o aumento do limite para os servidores públicos tem como objetivo beneficiar o segmento com a mais baixa inadimplência e estimular o relacionamento de longo prazo com a instituição financeira.

Tradicionalmente, os servidores públicos, por terem estabilidade no emprego, pagam juros menores e têm condições mais favoráveis de crédito por terem menor risco de inadimplência. Atualmente, a Caixa tem R$ 43,2 bilhões emprestados para servidores públicos em todo o país.

Essa é a segunda alteração no crédito imobiliário da Caixa nos últimos dois meses. Em abril, o banco, que concentra 70% do mercado no setor, reduziu os juros nas linhas para a compra da casa própria com recursos da poupança.

As taxas mínimas do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) - que financia imóveis de até R$ 800 mil na maioria do país e de R$ 950 mil em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Distrito Federal - caíram de 10,25% para 9% ao ano. Para o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), que financia a compra de imóveis acima desse valor, os juros mínimos foram reduzidos de 11,25% para 10% ao ano.

Por Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil 

Mais recentes sobre economia:

Você também poderá gostar de: